quinta-feira, 8 de maio de 2008

A sintonia

Não tenho por hábito responder a estas coisas. Mas este arrazoado, argumentação velha como a Sé de Braga, consegue, por vezes, tirar-me da minha calma.

Leia-se:

A sintonia como parâmetro de avaliação
Quando oiço ou leio a posição de certos professores relativamente às suas experiências educativas, reparo que quase sempre, as suas queixas apenas reflectem dificuldades de inserção no contexto social onde Escola se situa.


É verdade que muitos professores se queixam do meio em que a escola se insere. Mas não se queixam só disso. As queixas que mais frequentemente oiço nem têm a ver com o meio mas com o ambiente familiar, sobretudo coma falta de regras em casa que faz com que os garotos tenham pouca ou nenhuma capacidade de aceitar regras na escola, com a excessiva permissividade parental que leva pais (cansados, é certo, masque não deixam por isso de ser pais – eu também estou cansada ao fim do dia) a darem aos meninos tudo o que eles pedem e até o que ainda nem pediram e que torna as crianças incapazes de resistir à mínima frustração. E estas coisas não dependem do contexto social, ou não dependem apenas do contexto social.

Mas a coisa continua, com o mais triste e fascista dos argumentos: se são pobres, não se lhes pode exigir muito, coitados.


A violência, miséria, drogas, são o dia a dia de muitas crianças! Perante isto, vale a pena ensinar conteúdos, que elas não reconhecem como necessárias para a vida que estão habituadas a viver, onde mais uma vez a sociedade que não lhes dá condições, exige delas o que elas não podem dar?
Claro que não!


Claro que sim! Se a violência, a miséria e a droga são o dia-a-dia de muitos alunos nossos, então que é que este senhor propõe – violência, miséria e droga na sala de aula, para os pequenos se sentirem no seu meio?
Vale a pena ensinar conteúdos que elas não reconhecem como necessários para a vida que estão habituadas a viver? Claro que vale! Até para que saibam que a vida que estão habituadas a viver não é a única vida possível. Até para que aprendam a criar as condições que a «sociedade não lhes dá». E para que aprendam a lutar e a exigir dessa mesma sociedade a sua quota-parte de responsabilidades. E para que percebam que nada é dado, tudo tem que ser conquistado.

E encerra com a chave de ouro da sabedoria - os professores que se adpatem aos alunos! Venham eles de onde vierem, nem pensar em tentar levá-los a superar as faltas do meio. Ná! O professor deve é chafurdar com eles na lama, para eles se entirem em casa!

E é aqui que reside as dificuldades profissionais dos professores, é só estarem
preparados para debitar matéria e acharem que não têm nada à aprender com os
alunos.
O respeito pelas experiências sociais, quase sempre negativas dos
alunos deveria servir para agregar aos conteúdos a diversidade das suas
vivências, fazendo com que seja o professor a adaptar-se aos alunos, e não os
alunos ao professor.
Grande parte do insucesso dos alunos também passa pela
dificuldade dos professores como emissor de saberes, de serem capazes (ou
quererem, isto porque enquanto o insucesso não contar para avaliação, a vontade
é um factor importante) de se sintonizarem com os seus receptores.



A tarefa do professor é armar os seus alunos com as ferramentas intelectuais para que eles possam sair do ciclo vicioso da miséria, do assistencialismo, da vitimização. Respeitar o sofrimento das pessoas não significa mantê-las nesse estado.
Os professores não estão preparados para «debitar matéria». Os professores estão preparados para ensinar.
O professor adapta-se aos seus alunos todos os dias, quando prepara materiais específicos para as suas turmas, diferentes dos que usou no ano anterior. Quando explica de novo uma coisa que já explicou três vezes, para um grupo que ainda não entendeu. Quando é forçada a deixar de lado um plano de aula porque ninguém trouxe o livro nesse dia.
O que é que este senhor propõe? Que o professor passe a drogar-se junto com os alunos filhos de drogados? Que passe a embebedar-se, quando os alunos são filhos de alcoólicos? Que vão todos para a rua assobiar às miúdas, arrotar alto e gamar carteiras, porque é esse o ambiente do bairro?
A matéria deverá ser então qual? Agregando as vivências dos alunos habituados à droga, à miséria e à violência? Técnicas de assaltar nas caixas de Multibanco? Modos criativos de enrolar charros? Como escolher a heroína mais pura? Como dar enxertos de porrada na namorada?

5 comentários:

Portuga disse...

A sua competência revela-se como distorce o sentido deste Post.
Comentários para quê é uma anti-avaliação

Nan disse...

Palavras para quê? É um artista português, certo?

AL disse...

Os posts do anti-tretas são sempre pérolas de generalidades que ele deve ter ouvido alguém dizer um dia e que por isso debita (mesmo sem saber do que fala). Ele é incapaz de rebater argumentos, censura os comentários mais incómodos e, como tal, não pode ser levado a sério. Eu gosto de passar por lá, pois o que ele escreve é tão mau (em termos ideológicos e linguísticos) que se torna humorístico.

LeniB disse...

Parece que o tretas desapareceu da blogosfera,ou será impressão minha?
Não poderia estar mais de acordo com o que escreveste, colega.
Só que está metido no assunto é que sabe o que realmente se passa.
Boa semana

Pedro disse...

Nem no Prós e Contras o debate de ideias seria tão profícuo... Quem fala assim sabe o que diz!