sexta-feira, 16 de maio de 2008

Ensinar e aprender

Anda no Umbigo uma acesa discussão, que teve origem numa hilariante composição sobre «O papel da escola» - parece que é A4 ou então A3 dobrado ao meio.
Agora a sério... anda por lá uma ligeira confusão feita por um colega «Fafe» entre aprendizagens e ensino. Um professor nunca (NUNCA!) pode ser responsável pelas aprendizagens de qualquer aluno. Aprender é um acto individual de vontade. O professor pode ensinar, pode incentivar o aluno a aprender, pode ajudar o aluno a aprender, pode dar ao aluno as ferramentas para ele aprender melhor, pode sugerir-lhe que aprende, pode mostrar-lhe as vantagens que há em aprender, pode admoestá-lo por não ter aprendido, pode quantificar o que ele aprendeu, pode ensinar-lhe de novo o que ele não aprendeu... o que não pode é aprender por ele ou forçá-lo a aprender. Se o aluno não quiser aprender, não aprende.

5 comentários:

Portuga disse...

Criatura
“Se o aluno não quiser aprender, não aprende.”
Isto vindo de uma professora até mete dó!
Aprender não depende da vontade! O acto de aprender é “mecânico”, em cada segundo da nossa existência estamos sempre a aprender.
Compreender é que pode ser mais ou menos difícil, mas o professor tem obrigação de ajudar a compreender.

Nan disse...

Se o acto de aprender fosse «mecânico» bastaria ver televisão para aprender. Aprender é um acto voluntário. Aprende quem quer - ou, em casos especiais, quem pode e até onde pode. Um dos males da escola actual é que o meninos vão è escola para «ser ensinados» e não par «aprender» - aprender exige trabalho. Essa de aprender ser «mecânico», vinda de um ser humano alfabetizado, mete dó!!!!!

bell disse...

É a primeira vez que venho aqui e gostei. Disse algumas verdades neste post. Da resposta ao comentário, destaco esta: "os meninos vão à escola para «ser ensinados»" porque considero que é a o grande problema do insucesso, eles vão à escola com esta atitude passiva e ao mesmo tempo autoritária: aqui estou eu, agora ensine-me. Só que aprender, como disse e muito bem, exige esforço, esforço da parte de quem está a aprender e eu só vejo o esforço da parte de quem ensina.

dissidentex disse...

A pessoa que assina portuga não entende nada do que é o acto de aprender. Nada.

E dizer que aprender não depende da vontade é mesmo não entender nada de nada.

Aliás , uma pessoa que diz que o acto de aprender é mecânico diz tudo...santa tristeza...

AL disse...

Aí está a questão da liberdade. Há alunos que não querem aprender. E cada vez haverá mais alunos que não querem aprender, porque aprender exige força de vontade e custa. E como cada vez mais temos um sistema em que se desvaloriza o esforço, a consequência vai ser obvia: se eu passo de ano mesmo que falte, mesmo que não trabalhe, mesmo que não me esforce... o que me levará a fazer "sacrifícios" em vez de ir para a praia, ficar a jogar plystation ou a passear pelos centros comerciais da redondeza?